Pesquisar

Primeira Biografia Autorizada De Tupac Shakur É Lançada 27 Anos Após Sua Morte

Tupac (1971-1996) foi um rapper norte-americano, considerado um dos maiores ídolos do Hip-Hop de todos os tempos. Foi assassinado a tiros em Las Vegas em 13 de setembro de 1996. No final de setembro, o Departamento de Polícia de Los Angeles indiciou Duane Keith Davis, membro da gangue californiana South Side Compton Crips, pelo assassinato de Tupac Shakur. Sua prisão, a primeira envolvendo a morte há muito não resolvida de Shakur, ocorre cerca de 27 anos depois que um Cadillac branco parou ao lado do rapper e ator em um semáforo de Las Vegas e disparou quatro balas em seu corpo, matando-o aos 25 anos. A acusação e a conversa que se seguiu desde então, falam do interesse e do legado duradouros da figura indiscutivelmente mais mitificada do Hip-Hop.

É por isso que o novo livro de Staci Robinson, “Tupac Shakur: The Authorized Biography”, a primeira biografia aprovada pelo espólio de Shakur, ainda parece relevante, prometendo oferecer um novo tipo de acesso a uma vida e carreira tão históricas. Staci conheceu o rapper quando era adolescente e sua mãe pediu pessoalmente que escrevesse a história de sua vida.

O crítico independente Brandon Yu escreve a seguir, sobre essa biografia:

Em “Tupac Shakur: The Authorized Biography”,a ideia é focar e celebrar a vida de Shakur como ela foi vivida, e não deleitar-se com as teorias sensacionalistas em torno de sua morte.

É claro que é uma abordagem perfeitamente justa – afinal, a vida de Shakur era bastante fascinante. Isso pode ser facilmente deduzido da narrativa direta e um tanto serena de Robinson sobre uma vida que começou no ventre ardente da política revolucionária, quando a mãe de Tupac, Afeni Shakur, se defendeu com sucesso no infame julgamento do Pantera 21 enquanto estava grávida do rapper, e terminou no auge da cultura pop americana. E, no entanto, para além da sua morte, as questões maiores e mais abstratas sobre Shakur, e os acontecimentos da sua vida que podem dar-nos as respostas certas, permanecem opacas no relato de Robinson.

Em outras palavras, os leitores que procuram novos insights sobre um artista cuja vida já foi infinitamente destruída provavelmente não encontrarão nenhum aqui. Criado por uma mãe ativista, cujo vício em drogas periodicamente criava uma barreira entre eles, Shakur carregou um desafio ao longo da vida que foi temperado por seu carisma criador de estrelas e sua paixão criativa insaciável e indisciplinada.

Temos essa noção clara dele em seus primeiros anos, mas nas partes mais importantes da vida de Shakur. Robinson, que conheceu o astro quando adolescente e foi convidada pessoalmente por Afeni para escrever a biografia, está muito focada em simplesmente manter a linha do tempo em movimento.

É de se perguntar o quanto essa abordagem resulta da mão, dona da marca, guiando a caneta de Robinson, como se não quisesse que nos aproximássemos muito de qualquer drama barulhento e conversa fiada que alimentava tanto a paranóia quanto o perigo real que girava em torno de Shakur nos últimos dois anos de sua vida. Como biógrafa oficialmente autorizada, Robinson aparentemente tinha acesso incomparável às entrevistas exclusivas e vários documentos dos cadernos em que Shakur estava sempre rabiscando (fotos de algumas dessas páginas estão incluídas no livro). E, no entanto, essas vozes, quer das pessoas entrevistadas por Robinson, quer do próprio Shakur, não conseguem intervir nos pontos mais cruciais.

Mais notavelmente, ninguém está lá para nos dar uma noção íntima ou concreta de como exatamente as forças conflitantes na vida de Shakur transformaram um sensível garoto do teatro, que estava intensamente focado em capacitar os negros e unir os desprivilegiados, em uma estrela que parecia desnecessariamente lançar-se num mundo de violência. Há, é claro, respostas adequadas: sua teimosia inata misturou-se de maneira letal demais com o caos da fama e do sucesso intensos. Mas Robinson evita em grande parte interrogar esta questão central e trágica.

Em vez disso, o livro cria uma cartilha sobre Shakur como um ícone familiar: uma estrela que era intensamente trabalhadora, com mentalidade política e tão charmosa e talentosa quanto volátil. É também uma versão honesta e muitas vezes inspiradora de quem Shakur realmente era. Mas é o mesmo que ouvimos antes.

Pesquisar

Últimas postagens

Jazzmasters 20 Anos: Adi Oasis E Alfa Mist Fazem Parte Das Celebrações

Hope Tala Lança ‘I Can’t Even Cry’ E Emociona Com Sua Voz Única

COWBOY CARTER: Novo Álbum De Beyoncé Tem Participações De Miley Cyrus E Post Malone

Back To Black: Trilha Sonora Oficial Será Lançada Em Maio

Rock In Rio 2024: Confira O Line-Up Atualizado Do “Dia Delas”

NAACP Image Awards: Confira A Lista Completa Dos Vencedores

Compartilhe